2011 - André Bitinas - Direito

Escolha da Universidade.

             Antes de escolher estudar na Universidade do Porto, procure se informar ao máximo sobre ela e sobre a faculdade do seu curso. Pergunte aos professores do Mackenzie, acesse o site oficial da instituição, procure no Google, Wikipédia, se informe sobre a produção científica e a as áreas acadêmicas de destaque, dê uma olhada no corpo docente que integra o quadro de professores (formação, cargos, atividades, produções literárias, acadêmicas e afins).

 

            Com um pouco de pesquisa, logo você descobrirá as qualidades da Faculdade de Direito da Universidade do Porto, que, apesar de nova, coleciona pontos positivos de dar inveja a muitos cursos mundo afora.

 

            Mas, verifique se a Universidade possui mesmo o perfil de que você deseja. Demandará tempo para descobrir isso. Procure também alunos que realizaram o intercâmbio lá, para maiores informações.

 

Do Processo Seletivo da COI.

         

            Se apresse o máximo possível para obter todos os documentos necessários para a inscrição e fique atento ao prazo de entrega. Use e abuse dos funcionários da COI, que sempre estão disponíveis para tirar nossas dúvidas. Não se acanhe, abuse mesmo, pergunte tudo, marque várias visitas, pergunte novamente. Comigo eles tiveram toda a paciência do mundo e com você não imagino que possa ser diferente.

 

            O processo seletivo não é complicado, exige certo preparo: renovar (ou tirar) o passaporte pode demorar um pouco mais, portanto faça logo; para a Carta de Recomendação, indico que escolha um professor que te conheça o suficiente para assinar uma recomendação bem fundamentada; a Carta de Motivação é fácil de fazer, tente em duas folhas escrever com sinceridade os motivos que o levaram a querer fazer intercâmbio e o porquê daquele país, daquela cidade, daquela universidade; Cópia Simples do Histórico Escolar “Sujo” e o Ranking, que se tiram na Secretaria do Mackenzie, demoram mais ou menos uma semana para ficarem prontas, mas é bom não dar sopa para o azar e tirar logo. De resto é mais simples, mesmo.

 

            Preste atenção no plano de estudos que você terá que fazer, mas não se preocupe tanto assim com as matérias escolhidas porque depois você poderá modificá-las quando chegar ao Porto. Pode acontecer de os horários não baterem, ou você descobrir que a aula não era aquilo que você tinha em mente.

 

Depois da entrega dos documentos, terá uma entrevista e uma prova. A minha entrevista foi bem rápida e tranqüila e, após esta, o professor responsável pela mobilidade internacional indicou uma lista com cerca de quatro títulos para lermos como forma de preparo para a prova. Alugue-os na biblioteca e leia aqueles que você gostar mais.

 

Se, no final de tudo, seu nome sair na lista – uma lista tão aguardada e comemorada quanto a de aprovação no vestibular – comemore bastante e corra atrás de todas a documentação necessária para a obtenção de visto junto ao Consulado Português.

 

Da Obtenção do Visto.

 

            Se você é como eu, um não cidadão europeu, terá que tirar visto estudantil. Ou, se for cidadão europeu, pode obter o visto com o passaporte brasileiro, por precaução (nunca é demais, certo?).

 

            Essa é a parte mais chata e demorada. Nem pense em deixar para última hora! E olha que ainda temos a facilidade da língua, que faz desnecessário um monte de tempo e dinheiro gastos com traduções juramentadas. No site, achei meio confusa a lista de documentos necessários. Liguei para lá e em poucos minutos eles tinham me enviado a lista certinha por e-mail. Sugiro que faça o mesmo.

 

            Alguns documentos em específico podem te dar um pouco de dor de cabeça: Comprovativo de Existência de Meios de Sobrevivência, que deverá conter um Termo de Responsabilidade dos seus pais, comprovando a relação de parentesco e Declaração de Imposto de Renda, devidamente reconhecidas as firmas; Comprovativo das Condições de Alojamento: sim, você tem que ter pelo menos onde ficar nos primeiros 15 dias (falarei mais adiante sobre lugares para ficar); Seguro Saúde Internacional que poderá ser público (PB4 INSS, que é de graça e algumas amigas precisaram usar e me falaram muito bem) ou privado (que tem maior cobertura e se comparar com outros estudantes através de agências de viagens sai com bons descontos); Passagens Aéreas de ida e volta: pedirão para serem entregues as cópias em data agendada para a entrevista – cuidado porque eles não ligam se você depende da certeza da data da obtenção do visto para realizar a compra.

 

            Mas, no final de contas, o mais estressante foi aguardar pela Carta de Aceitação que as universidades européias costumam demorar tanto para entregar ao Mackenzie. Tente não ligar todos os dias cobrando a COI, se desesperar, reclamar, mandar e-mails... O pessoal da COI já está fazendo isso por você.

 

            Apesar de no site o Consulado afirmar que o tempo de espera para a obtenção do visto pode ser de até 60 dias, o meu saiu em pouco mais de 20. Mas, para evitar problemas, conte logo com o fato de que pode até, por uma eventualidade, demorar mais que o oficialmente previsto.

 

            Outra informação importante, é que o visto tem duração curta de 90 dias. Você terá que passar no SEF (Serviços de Estrangeiros e Fronteiras), que fica dentro do CNAI (Centro Nacional de Apoio ao Imigrante), situado na Rua do Pinheiro, 9 (atrás da FDUP), para renovar seu visto. Terá que entregar alguns documentos extras dados pela UP e também um comprovante de meios de subsistência (extrato bancário dos últimos 3 meses, anteriores ao pedido de renovação, foi o suficiente).

 

            Se você entrou em Portugal através de outro país da Europa e não diretamente do Brasil, deverá passar lá em três dias para preencher o Aviso de Chegada. Se não fizer isso dentro desse prazo, pagará uma alta multa, cuidado. E tenha paciência, tudo no SEF costuma demorar muito e exigir vários retornos ao local.

 

            Eu realizei meu intercâmbio no primeiro semestre de 2011, então pode ser que o esquema de obtenção e extensão de visto tenha mudado, total ou parcialmente, o que significa que talvez minhas dicas precisam ser conferidas.

 

Da Cidade do Porto.

 

            Uma cidade antiguíssima e super encantadora, Porto é a segunda maior cidade de Portugal e fica mais ao norte, onde o frio costuma castigar nós brasileiros habituados aos trópicos e aonde o calor não chega a derreter como em nosso verão, mas é mais que o suficiente para um passeio a qualquer das várias praias de Porto e Grande Porto. Aconselho não comprar muitas roupas de frio para levar, pois lá são baratas e aquecem bem mais. Ou, se tiver boas vestimentas para frio, mas estiver com problemas de peso nas malas (pode levar até duas malas de 32Kgs, cada), deixe para comprar lá mesmo. E se prepare, pois, além de ventar muito na cidade o ano todo (verá guarda-chuvas virando do avesso), na época de frio costuma chover fraco e constantemente. Mesmo no verão, a praia se limita à areia, pois é impossível colocar os pés na água e não sentir dor de tão gelada que é! Um bom consolo é que nessa época do ano o sol costuma se pôr entre às 21h00 e às 21h30; ótimo para aproveitar melhor o dia.

 

            Em que pese ser considerada “grande” entre nossos colonizadores (cerca de 300.000 habitantes) a impressão que nos dá é de cidade do interior: pouco trânsito, pouco estresse, muitas pracinhas, banquinhos públicos, igrejas, pequenos comércios (que costumam funcionar até às 18h00 durante a semana e fechar aos sábados e domingos)... Mas tem oferta de cultura e lazer suficientemente vasta (museus, casas de shows, barzinhos, baladas, shoppings, livrarias, igrejas, caves de vinhos, parques, casas de chá, festivais, etc.).

 

            Não perca a Queima das Fitas, evento acadêmico que ocorre em Maio e que toma as ruas com estudantes celebrando o fim do curso dos quartanistas. Tem muitos shows bacanas no Queimódromo. É uma semana inteira de recesso de aulas para festejos. É mais tradicional e intenso em Coimbra, porém.

 

            Mas, mais imperdível ainda é a festa de São João, no mês de junho. Com muita música típica, bandeirolas enfeitando as ruas, sardinhas assadas, fogos de artifícios e balões no ar. Em alguns aspectos lembra bastante as nossas festas juninas caipiras!

 

            O centro histórico é muito charmoso e possuí um lirismo particular ao misturar edifícios bem conservados com outros em péssimo estado, edifícios grandes e simples, antigos e mais recentes. A também histórica região da Ribeira (margens do Rio Douro) é um atrativo à parte, com sua vista do Rio, das caves de vinho e da Ponte Don Luís I, e com restaurantes gostosos e bares agitados (quando não é inverno).

 

            Morando no centro da cidade, pode-se fazer tudo a pé sem o menor problema. A cidade possui muitas estações de metrô, se considerarmos seu tamanho e sua demanda; e muitas linhas de ônibus, que são extremamente confortáveis e eficientes. Em cada ponto de ônibus você encontra uma lista de todas as linhas que por ali passam, e quais as suas paragens, bem como os horários que cada linha passa naquele ponto em cada dia (e não costumam se atrasar mais que três minutos).

 

            Só tenho uma ressalva para fazer em relação à cidade: evite o bairro da Ribeira à noite, com exceção à margem do Rio. Lá os índices de violência são maiores e se não tomar cuidado pode ter problemas. Normalmente o simples ato de atravessar a rua para a outra calçada já evita situações desagradáveis, mas, ainda assim evite ao máximo o local. Nessas ruas íngremes, de noite, cheguei a ver cenas bem incômodas de agressão não armadas, é verdade, mas totalmente gratuitas. Uma pena!

 

Da Faculdade de Direito da UP.

 

            Tente controlar a ansiedade pelo início das aulas. Enquanto as classes iniciam as atividades com seus alunos regulares, os intercambistas têm que aguardar pelas boas vindas oficiais e as orientações devidas.  Aproveite essas quase duas semanas de indefinição para visitar aulas diferentes e confirmar ou modificar seu plano de estudos que foi feito ainda no Brasil.

 

            O pessoal da “COI-UP” é tão solícito quanto o da nossa querida Universidade. Mas você ficará mais próximo dos funcionários da mobilidade internacional que trabalham diretamente na Faculdade, que fazem de tudo para ajudar os alunos estrangeiros em tudo que for possível, dando dicas desde como tirar melhor proveito das aulas, das matérias e dos professores até de como conhecer melhor a cultura lusitana!

 

            A faculdade se divide nos cursos de Direito e de Criminologia. O primeiro possui estrutura mais similar ao nosso curso mackenzista; o outro possui grade bastante diferenciada e tem até uma cela para laboratório de pesquisa. Vale bastante a pena mesclar matérias dos dois, assim como também aconselho a frequentar pelo menos uma matéria diferente de outra Faculdade, como forma de ampliar e complementar ainda mais nosso conhecimento (tente optar por aquela que de alguma forma se relaciona com o resto do plano de estudos e não o comprometa, é claro).

 

            As aulas costumam ter poucos alunos: as menores classes que vi chegavam a ter quinze alunos presentes, e as maiores deveriam chegar a uns cinquenta. Tire o máximo de proveito disso, pois é notável a melhora que tal fato gera na qualidade das aulas, das discussões e do aprendizado como um todo. Bem como o professor consegue ficar mais atento às dificuldades de cada aluno e também se aproximar mais de cada um, aumentando ainda mais a possibilidade de interação entre docente e discente. A cada semestre, até por ser uma turma bem menor de alunos e professores, o curso de Criminologia costuma realizar um jantar extra-oficial agradabilíssimo onde a confraternização é total.

 

            Outro dos grandes pontos positivos da FDUP é a não obrigatoriedade de presença nas aulas, que garantem a presença somente daqueles que estejam interessados e que dão valor ao que se passa dentro das salas. Você não encontrará o corriqueiro desrespeito dos maus alunos que, por obrigação de ir às aulas, mas com desinteresse, conversam em voz alta, atrapalham o professor e os colegas. E se engana quem pensa que muita gente falta por conta dessa liberdade: logo o aluno percebe a importância de ir às aulas para prestar atenção e aprender, e não para simplesmente responder chamada.

 

            Se você já não tem essa consciência, desista do intercâmbio agora mesmo! Além de fazer papel de imaturo, estará passando uma péssima impressão de nossa faculdade e de nosso país, pois lá, diferentemente daqui, conversar e atrapalhar a aula é ato bastante reprovável (por todos!). Dormir em aula também é algo bastante estranho a eles, mais ainda porque estudante lá costuma ser apenas estudante, não acorda cedo para estagiar nem passa o dia no trânsito se locomovendo pela cidade, indo de Fórum em Fórum para depois dormir pouco e mal, para enfim ir à faculdade.

 

            Ademais, as aulas costumam ir das 09h00 às 11h00 e das 14h00 às 16h30. Mas varia conforme a aula. Quase sempre é trabalhado um texto previamente enviado pelo professor aos alunos por meio do Sigarra (o “moodle” deles), para discussão e desenvolvimento em sala (mais um ponto forte). Aliás, eles usam bastante a plataforma virtual para colocar arquivos, notas e avisos.

 

            Assim que visitar a Faculdade e arredores, você logo notará os costumes peculiares do estudante português: eles costumam usar uma roupa específica estudantil, traje que dizem ter inspirado J. K. Rowling a compor o visual dos alunos de Hogwarts. Quem normalmente usa essas vestimentas são os que participam da Paraxe, espécie de clube de estudantes, não institucionalizado, que levanta muita polêmica por causa do modo como os novos paraxistas são tratados, mas que sem dúvida é um universo importante de conhecer, pois tem um peso importante na vida acadêmica e mostram-se muito unidos e amigos uns dos outros.

 

Há também um grupo, que se assemelharia à nossa Bateria Universitária, que é chamado de Tuna Acadêmica. Eles se separam entre Tuna feminina e masculina, e consiste em uma banda multi-instrumental, toda de percussão, cordas e voz, que tocam músicas tradicionais do fado acadêmico ou outras músicas em versão “à portuguesa”. Tente não perder a versão que a tuna masculina de Direito fez de “Burguesinha”, de Seu Jorge, que tocam na recepção integrada da Reitoria, regada a vinho e salgadinhos no final.

 

Na reunião de recepção da FDUP a Associação de Estudantes passará uma lista para os intercambistas que estiverem interessados em ganhar um mentor para auxílio na vida intra e extracampus. Vale muito a pena: normalmente essa ação facilita a integração entre intercambistas e alunos portugueses, bem como muitas vezes auxilia na integração à cultura local. Apenas torça para que caia com um mentor atencioso e que essa escolha seja feita com rapidez. No meu caso, a Associação demorou muito para designar mentores e no final das contas não fez tanta diferença assim para mim.

 

            Tais mentores podem ser muito úteis também na hora de dar dicas sobre como são as provas. Mas já adianto aqui que as avaliações costumam ser bastante exigentes. E lá vale a máxima de quanto mais conteúdo, melhor. Nada de responder às questões de maneira sintética e em poucas linhas, há que se desenvolver um texto dissertativo bastante completo, passando inclusive por pontos periféricos acerca do que foi pedido na questão. Não raro vi alunos entregando 10 páginas, ou quase isso, só de texto, após três horas de prova. A nota vai de 0 a 20 e a média é 10 (um tanto difícil de conseguir). Aqueles que tirarem 08 ou mais, porém menos que 10, podem optar por fazer outra prova escrita ou uma avaliação oral; quem tirar mais que 10, pode fazer melhoria (oral), sem perigo de piora de nota; e aqueles que tirarem menos de 08 somente terão chances de melhorar a nota mediante outra prova escrita.

 

            Também não tem muito essa de “o que cai na prova?”, pois que costumam cobrar toda a vasta matéria passada em aula. Mas, para o consolo do aluno, a Faculdade disponibiliza as provas (normais e de recurso) que cada professor deu na sua matéria nos últimos quatro anos, inclusive com o gabarito. Apesar de não haver repetição de perguntas, isso ajuda a ter uma ideia de como é a prova e ir menos nervoso no dia. Aconselho tentar responder às questões e conversar com seu professor, algumas semanas antes da prova, sobre as dificuldades encontradas.

 

            Outra boa notícia é que você terá muito tempo só para estudar para as avaliações. As aulas se encerram e a faculdade dá um mês só para os exames e depois outro só para os recursos. Se uma prova ficar com data muito próxima da outra, você poderá fazer requerimento para remarcar algumas delas, para que seu estudo não fique prejudicado. São bem flexíveis nesse quesito.

 

            Talvez as únicas críticas que eu posso tecer aqui, são de que eles não realizaram no meu semestre tantas palestras como estou acostumado a ser ofertado pelo Mackenzie (ainda assim, preste atenção nas atividades extraclasse: palestras, sociedade de debates, grupos de estudos, etc., que podem ser bem proveitosos.); e outra crítica é à biblioteca da Faculdade que não dispõe de tantos títulos e tantos exemplares como a nossa, ou seja, se prepare porque achar livros disponíveis perto do período de provas é uma tarefa árdua.

 

Da Vida em Portugal

 

            Primeiramente, acredito que o melhor lugar para se morar seja mesmo perto da faculdade, no centro da cidade. Lá é perto de tudo, o que facilita bastante a vida. Apesar das casas não serem lá grandes coisas, porque velhas, tem muita oferta de quartos nas redondezas para alugar a estudantes e logo se encontra um cantinho agradável. Escolha um quarto onde bata bastante sol no inverno já que é praticamente impossível encontrar construção que suporte um sistema de calefação central.

 

Normalmente os aluguéis ficam entre 180 e 250 euros, já incluso condomínio e internet. Muitos ainda incluem os gastos de gás e luz junto. Dá também para encontrar quartos para se dividir, o que diminui bastante os custos. Os alojamentos da Universidade são difíceis de conseguir, mas quem consegue gosta bastante do lugar, pois o preço é bom e costuma incluir serviço de limpeza.

 

Para quem não tem a mínima idéia de onde ficar, aconselho dois sites: EasyQuarto (necessita cadastro prévio, porém gratuito) e o SPRU (residência estudantil privada). Ainda, para quem precisa só de um lugar para ficar por umas semanas para obter o visto estudantil e pretende na cidade mesmo pesquisar lugar, uma boa ideia é negociar diretamente com hostels (HostelWorld seria uma bom site de procura) uma diária barata por esse período de tempo, até achar o que gosta.

 

Fique atento na hora de escolher um quarto, pois não são raros os casos de problemas com os proprietários (chamados de senhorios). Converse bem com os demais moradores da casa, longe da vista do locador, para saber como o senhorio se comporta. Muitos acabam sacaneando os inquilinos estrangeiros, não devolvendo a caução ou invadindo seu quarto sem mais nem menos. Ouvi relatos até de furtos que desconfiavam ter sido de autoria do proprietário.

 

Ainda assim, viver em Portugal é tranqüilo e prazeroso. O povo de fato não é tão aberto quanto nós brasileiros e demora um pouco para que o português comece a ganhar confiança na pessoa e se torne íntimo (aí sim, se tornam pessoas inesquecíveis!). E se prepare para vivenciar algumas situações de preconceito: brasileiro nem sempre é bem visto! Mas no geral, o povo português é respeitoso, bastante inteligente (temos estereótipos completamente equivocados) e reservado.

 

Gostam muito de uma boa e farta comida (cito aqui as típicas francesinha e bacalhau com natas) e um vinho de mesa (como o vinho verde), além do Vinho do Porto.

 

            Outro dos pontos fortes de viver no Porto é a grande quantidade de estrangeiros de toda a Europa que você encontrará. São muitos os espanhóis, franceses, belgas, poloneses, italianos e afins. Viver e conviver com tanta diversidade cultural é de uma valia impossível de traduzir em palavras, peço desculpas por isso, mas só quem vive sabe. Será engrandecedor confrontar tantos costumes e valores, e aprender a viver com tantas diferenças. E para aqueles que estão meio receosos de ir para Portugal porque o idioma é o mesmo, não se preocupe, seu inglês será muito requisitado e aprimorado por conta das dezenas de estrangeiros que não falam nossa língua e que você irá ter contato.

 

            Mas, qualquer seja a situação, não se esqueça nunca que você não estará completamente sozinho e desamparado. A COI, tanto do Mackenzie quando a sua semelhante da UP estarão sempre dispostos a ajudar no que for preciso. Ademais, tamanha é a comunidade brasileira da Universidade do Porto, que se criou a BRASUP (Associação de Brasileiros da Universidade do Porto) que possui site próprio e prometem auxílio na adaptação ao país e à Universidade.

 

Viver em Portugal costuma ser mais barato que viver em São Paulo. Desde produtos alimentícios, passando por produtos eletrônicos e serviços em geral são mais baratos do que aqui. Cito algumas lojas para que vocês possam pesquisar os preços das coisas pelos sites e terem uma ideia do custo de vida: Continente-Modelo (hipermercado); Pingo Doce (supermercado); MiniPreço (supermercado); IKEA (produtos para casa); Decathlon (produtos esportivos); LinhaAndante (transporte público); CP (transporte público – trens); PixMania (eletrônicos); Fnac (eletrônicos/livraria); Bertrand Livreiros (livraria).

 

Em resumo, dá para se virar sem privações nem luxo com 600,00 euros por mês, incluindo tudo.

  

Viajar em Portugal e na Europa

 

Mas não é só de estudos que vive um intercambista (erasmus, como são pela Europa chamados). Parte importante do intercâmbio é conhecer o mundo, vivenciar o novo, explorar o diferente, não é mesmo?

Logo você verá como é simples e fácil viajar pelo Velho Continente, uma vez dentro dele.

 

Porém, antes de tudo, uma ressalva deve ser feita: não se apresse para conhecer os lugares, você terá tempo para isso! Não invente de perder aulas para viajar, pois que além de essas aulas fazerem falta, o calendário escolar é cheio de longos feriados para serem aproveitados. E, passando em todas as matérias sem necessidade de recurso (o que é possível, com dedicação) você ganha um mês inteiro só para fazer o que quiser, aproveite!

 

Portugal, assim como a Europa como um todo, teve bastante tempo para que em cada cidade uma atração especial fosse criada. Na terra de nossos colonizadores, em especial, é possível visitar várias cidades pequenas e charmosas que demandam não mais que uma manhã e uma tarde para serem degustadas vagarosamente. A grande malha ferroviária do país, que além de ser bastante veloz e barata, facilita com que se possa programar viagens de final de semana com tranqüilidade e pouco dinheiro (as vezes, 1,50 ou 3,00 euros a passagem). É possível visitar uma cidade próxima no sábado e outra no domingo, voltando para dormir e jantar em casa nesse entremeio. Os destinos costumam ter vários horários de partida todos os dias (varia um pouco de lugar para lugar, obviamente).

 

E a qualidade dos trens (chamados de comboios) se assemelha muito à qualidade que encontramos atualmente no metrô paulista da linha 4 – Amarela, ou seja, muito boa. Para quem quiser conferir preços, fotos, destinos e horários das linhas de trens portuguesas, o site é www.cp.pt.

 

Para viagens mais distantes, como outros países ou o Sul do País, são várias as companhias aéreas lowcost que operam a partir do Porto (muito mais que da própria Lisboa e de Faro). Fora da alta temporada, que começa em meados de junho e termina no final de setembro, é possível encontrar passagens por 10,00 ou 5,00 euros o trecho, ou até menos - sendo o mais comum encontrar preços por volta de 30,00 a 35,00 euros. A principal companhia é a Ryanair, mas outras também operam por lá (o metrô tem uma estação <s>que sai</s> dentro do único aeroporto da cidade). Uma boa dica é procurar no site da Edreams e pesquisar tarifas.

 

Para quem pensa em alugar carros, uma boa empresa lowcost é a Iterrent (de propriedade da Europcar), que além de cobrar bem pouco, tem uma loja próxima da estação Campanhã do metrô e de trens.

 

Locais para dormir, normalmente são os hostels mesmo: espécies de pousadas, com quartos coletivos que normalmente oferecem acesso à internet, café da manhã e/ou cozinha comunitária.  O preço varia muito de lugar para lugar e de hostel para hostel procure pesquisar em sites como o HostelWorld e similares.

 

Economizando bem, dá para gastar uma média de 50,00 euros por dia numa viagem dentro da Europa, contando hostel, transporte, comida, passeios e souvenires.

 

Das Considerações Finais

 

            Primeiramente, apesar de escrever essas linhas e de ter deixado de fora muitas outras informações que pensei em colocar, que retirei para não tornar o texto demasiado longo, essa experiência é algo indescritível! Pode-se ir atrás de todas as informações possíveis, ler todos os relatos existentes, pesquisar tudo que tem para ser pesquisado sobre o assunto, mas somente vivenciando é que se tem uma real noção da importância que isso fará na nossa formação, tanto pessoal como acadêmica.

 

            O começo sempre é difícil, estamos longe dos amigos, da família, da nossa casa, nossa cidade, nossa universidade, enfim, nossa zona de conforto. Dará um desânimo inicial, uma certa tristeza e medo, mas todos passam por isso, ainda que em intensidades diferentes. Com você não será diferente.

 

            Mas nenhuma conquista vem de graça, não é mesmo? Esse momento conturbado é necessário para nos fortalecermos e podermos encarar tudo o que precisaremos enfrentar. E logo passa.

 

            Após essa adaptação, você irá desfrutar de momentos inesquecíveis e importantes que carregará consigo para o resto da vida. Aprenderá a conviver com as diferenças e não julgar as coisas e as pessoas, assim de antemão, como nunca fizera antes! Irá questionar alguns valores que antes tinha como certos, irá também quebrar um sem números de estereótipos e preconceitos, dará valor à diversidade de idéias e visões de uma maneira super intensa. Tenha certeza.

 

            Depois de se acostumar com tantas novidades, a volta também será difícil. Pois, se despedir-se das pessoas queridas que ficaram no Brasil a espera da sua volta foi difícil, mais ainda será se despedir de pessoas que em tão pouco tempo lhe foram tão importantes e que muito provavelmente você nunca mais verá, por conta da distância. Mais um preço a se pagar pelos benefícios do intercâmbio.

 

            Voltar à rotina caótica e poluída de São Paulo também não será fácil, tenha paciência. E perceber que você em tão pouco tempo mudou tanto e que, apesar disso, tudo aqui continua quase da mesma maneira.

 

            Só quando voltamos é que começamos a nos dar verdadeira conta do que se passou com nós nos meses de experiência que tivemos: começará a ver a cidade com outros olhos, a encarar muitas coisas de maneira diferente, ainda que elas não tenham mudado de fato. É bem legal perceber tanta mudança em nós mesmos.

 

            É por isso que eu agradeço demais ao Mackenzie por ter dado essa oportunidade a mim e a continuamente oferecer o mesmo a outros alunos. Agradeço à COI por tudo, por sua excelência, paciência e profissionalismo. Agradeço à Universidade do Porto, aos alunos e profissionais de lá, também aos demais intercambistas por tudo que me proporcionaram nos poucos meses que fiquei com eles. E é por isso tudo também que aconselho a todos que façam um intercâmbio nessa cidade e faculdade que tão bem me fizeram e tanto me acolheram.

 

            Serão, podem apostar, os melhores dias da sua vida! O único arrependimento que pode surgir será de não ter feito isso antes, ou de ter passado tão rápido.