2006 - Marcelo Mazoti - Direito

 

Primeiramente, devo dizer que a experiência lá em Coimbra foi maravilhosa e extremamente gratificante.
Tanto a Academia Coimbrense quanto o ambiente europeu me proporcionaram aquisição de conhecimentos realmente edificantes.

 

De início, entretanto, é necessário atentar-se para todo o processo burocrático - que não é de menor importância - e que parece complicado em uma primeira vista, mas acaba por tornar-se simples ao final. É de suma importância saber exatamente os prazos para as candidaturas de acordo com as datas fornecidas na internet (www.uc.pt). Em seguida, é preciso preencher o formulário de inscrição (www.sri.uc.pt) e enviá-los para Coimbra por fax conjuntamente com históricos escolar e cartas de indicação, basicamente.

 

Após a espera de algumas semanas, caso seja aceito (e a maioria é) recebe-se em casa uma carta de aceitação da Universidade confirmando sua matrícula. Agora é que a burocracia se torna mais complicada. Isto porque, para aqueles que não possuem a cidadania européia, é preciso a aquisição do visto de estudante, já que o de turismo só é válido por 90 dias. Sendo assim, precisa-se entrar na página da internet do Consulado de Portugal em São Paulo e verificar todos os docs necessários. É importante ler todas as informações escritas, já que eles são extremamente rigorosos com os docs e autenticações. Esta é a fase mais chata, que acaba por durar aproxidamente mês e meio. (quinze dias para conseguir os docs e um mês de espera do Consulado, se tudo for feito em sua normalidade).

 

Tendo conseguido o visto, as demais burocracias são simples, já que aqui na Universidade apenas exige-se o comparecimento à Secretaria de Relações Internacionais e o preenchimento de um cadastro.

 

Realizadas estas "papeladas", passemos ao que realmente interessa.

 

A vida em Coimbra é muito tranqüila, podendo ser comparada a de uma cidade do interior de pequeno porte (os interioranos como eu acabam por se sentir em casa). A cidade possui aproximadamente cem mil habitantes e é de um charme inexplicável. As casas e as praças possuem um charme muito encantador, onde pode-se apreciar delícias culinárias nas "pastelarias" (padarias) e nos cafés. Confesso que alguns paulistanos que estão a mais tempo acabam por achar a cidade um pouco parada, mas tudo resolve-se com viagens ao final de semana para "quebrar" a monotonia. Para os “baladeiros de plantão” as festas ocorrem todos os dias, embora às terças e quintas sejam os dias mais agitados. Algumas nuances: as pessoas saem mais tarde aqui, o que significa dizer que se você for a uma boa discoteca às três da manhã ela ainda estará vazia. Para os solteiros é sempre bom alertar que "ficar" é uma invençao brasileira e não funciona muito bem por aqui, portanto, é bom acostumar-se com a idéia de tomar (muitos) cafés com as pessoas até as conhecer melhor...(obviamente as exceções existem, mas continuam a ser exceções...).

 

Quanto à Universidade o esquema de aulas é bem diferente. Elas começam mais tarde (geralmente às 9:30) da manhã, sendo que alguns cursos tem a maioria das aulas à tarde (como praticamente nenhum estudante trabalha, isso é possível). Além do mais, o europeu de um modo geral, não costuma freqüentar as aulas, que geralmente são ministradas para 1/3 dos alunos matriculados (não há presença obrigatória). Quem gosta de estudar, entretanto, pode gozar de salas de leitura extremamente confortáveis que ficam abertas para os aluno até às oito da noite, e permite  acesso a livros, revistas e periódicos de toda a Europa (obviamente o intercâmbio cultural aqui é bem maior, sendo que o estudo comparado torna-se mais freqüente).

 

Outro aspecto importante é o da moradia. A universidade possui alojamentos a noventa euros por mês, sendo que o intercambista pode ficar lá por um mês até encontrar outro local. O que ocorre freqüentemente é que como nunca se lotam os alojamentos é possível passar todo o período ali, o que acaba compensando bastante. É preciso ressaltar, todavia, que os aluguéis não oscilam muito como no Brasil, o que significa dizer que o mais barato que se paga são noventa euros/mês; um apartamento simples (parcialmente mobiliado e com cozinha e banheiros coletivos) giram em torno de cento e cinqüenta/mês, e os mais caros (com banheiro próprio e totalmente mobiliado) será em torno de duzentos/mês.

 

Já que está a se falar em custos, aqui seguem alguns preços apenas como parâmetros: alimentação (nas cantinas da universidade paga-se 1,85 por refeição); restaurantes (come-se um bom bacalhau com vinho do porto a quinze euros); livros (média de trinta e cinco euros, os manuais de quinhentas páginas); transporte (o passe mensal é dezoito euros); celular (se for trazer do Brasil não se esqueça de desbloqueá-lo. Por aqui, pode-se comprar celular a cinqüenta euros) baladas (as dicotecas cobram aproximadamente 3,50 euros de consumação, sendo que a melhor discoteca cobra 7,50 - o choppinho no bar da facu custa 0,70 e nas discotecas 1,50), e por aí vai....

 

Enfim, morar na cidade de Coimbra não é muito dispendioso (principalmente se comparado com São Paulo), o que pode tornar-se mais custoso são as viagens para as estações de esqui, Lisboa, Madri, Roma....etc...

 

Espero ter podido auxiliar a todos que procuravam alguma orientação. Tentei dar um "resumida" mas há muito mais por aqui, portanto, sintam-se livres para qualquer dúvida. Meu e-mail está a disposição (ah, é bom dizer que na facu pode-se utilizar a net).

 

Abraços a todos!

e-mail do Marcelo: marcelomazoti@hotmail.com