2009 - Nathalia Amaral Duarte - Arquitetura

-
http://www.mackenzie.br/typo3/clear.gifMeu nome é Nathalia Amaral Duarte, e vim fazer o Intercâmbio no Politécnico di Milano.

-

A minha decisão pelo Politécnico se deu por diversas escolhas e pesquisas! Em um primeiro momento pesquisei as faculdades, e onde estas estavam localizadas, e após uma grande dúvida entre Espanha e Itália, optei pela Itália e comecei a fazer aulas de italiano, quando fiz essa pesquisa o Politécnico ainda não estava na relação, no entanto tinha outra faculdade italiana, em Firenze.

-

No meu sexto semestre decidi entrar com os papéis para o Processo Seletivo, e nesse semestre tinha entrado o acordo com o Politécnico, não tive dúvidas e me inscrevi!

-

Devo dizer que, não só aqui na Itália, mas em toda a Europa, o reconhecimento do Politécnico di Milano é uma coisa impressionante. Vi-me em diversas situações nas quais pessoas me diziam o quanto é forte essa faculdade, e realmente é.

-

Antes de vir viajar, são vários os processos. Uma coisa que preocupa a todos é a obtenção do visto de estudante, mas isso é simples de fazer, o Consulado da Itália fica na Paulista, no site, eles informam todos os documentos necessários, esses documentos são em relação a sua universidade do Brasil, da Itália, e é necessário passagem de ida e volta, seguro saúde, e a comprovação de renda. O Mackenzie é muito organizado em relação a isso, e o Acoi me ajudou com documentos que eles solicitaram. No período de um mês já é possível estar com o visto em mãos. A dica é chegar cedo ao Consulado, eles não abrem todos os dias para esse serviço de visto, e sempre tem fila!

-

Para contar essa minha experiência devo começar pelo país que estou, a Itália. Sempre tive muita atração por esse país, a idéia de conviver com a história e o moderno juntos foi um dos fatores que me fez escolher aqui.  A nossa cultura é muito parecida com a dos italianos, principalmente aqueles do sul, e isso ajuda muito a adaptação. O idioma é muito fácil de pegar, fiz um ano de italiano antes de vir, e quando cheguei um curso intensivo por um mês, o Politécnico tem também um curso de italiano para estrangeiros, esse curso é semestral, muitos amigos meus fizeram, e aproveitaram.

-

A cidade de Milão tem uma dinâmica parecida com São Paulo, um local reconhecido pelo dia-a-dia do trabalho, da Moda e do Design. Aqui, a beleza dos edifícios, da paisagem, da cultura da pasta como muitos fazem em pensar na Itália, não é muito presente, como se você fosse para Roma, Firenze.  No entanto é uma cidade ótima para morar.

-

A faculdade se localiza no campus Bovisa (que é o segundo campus do Politenico di Milano, o principal é o campus Leonardo), isso significa 30 minutos de onde eu moro que é no centro, em uma residência da faculdade.

-

Moro em uma Residência Galileu Galilei do Politenico. A Univesidade tem algumas residências em Milão, onde eu estou é a mais nova, foi entregue em janeiro e fica a 10 minutos andando do Duomo (vejo da minha janela). Antes de vir para cá, enviei um e-mail ao Studesk (departamento responsável por alunos estrangeiros), demonstrando o meu interesse, e eles me enviaram depois em Agosto a proposta para morar lá. São 350 euros por mês, no prédio tem internet, academia, sala de estudos, biblioteca online, mensa, lavanderia. Eu tenho um quarto sozinha e divido o banheiro com outra menina, e a cozinha é comunitária do andar. Esse valor, naquela região e com todas essas vantagens, posso dizer que é quase impossível de encontrar.

-

Cheguei na Itália em agosto, e as aulas começaram em outubro, depois de ser adiada duas vezes, devo dizer que com esse fato senti um pouco de desorganização, mas foi um tempo que aproveitei para analisar as matérias que gostaria de cursar e conversar com alguns professores que se colocavam a disposição para esclarecimentos.

-

Aqui a faculdade é integral dependendo da carga horária, a aula pela manhã começa as 9:15 h e a tarde as 14:15 h,  escolhi fazer três matérias no primeiro semestre e três no segundo, sendo que dessas duas são anuais, os chamados “Laboratórios”, que a carga horária é de dois dias da semana de aula, ou um dia inteiro.

-

A receptividade dos professores foi boa, alguns só perguntavam se eu tinha conhecimento do idioma, caso contrário seria difícil de acompanhar as aulas, alguns incentivaram grupos mistos com italianos, assim poderíamos ter mais troca. O único ponto é que os italianos já estão acostumados com os Erasmus, que tem a fama de que não levam muito a sério a faculdade. Por sorte, conheci pessoas muito bacanas desde o primeiro dia de aula, que foram muito solícitos, e me ajudaram muito!

-

O conteúdo das disciplinas se difere na área técnica e nível de aprofundamento. Sendo um Politécnico, a engenharia, física, estática, tecnologia são muito consideradas e estudadas. Muitas coisas nós não temos no Mackenzie, e essa é uma grande dificuldade uma vez que essas matérias são integradas no projeto. Por exemplo, temos professor para fazer revisão de projeto só de estrutura.

-

As épocas dos exames são Fevereiro e Julho, nesses meses não tem aula, justamente para dar tempo de preparar as entregas e provas. Essa dinâmica também é diferente do Brasil, uma vez que nós temos que se inscrever para poder realizar os exames, pois sempre tem mais de uma possilibidade, por exemplo, você pode escolher não fazer o exame em Fevereiro, mas tentar em Julho.

-

Uma diferença que eu senti foi a combinação do frio de Dezembro, as aulas até uma semana do Natal, e ter entregas logo após o Reveillon, quando no Brasil é época de férias, aqui, é quando se trabalha mais! Todos já estão estudando para os exames de Fevereiro ou para as pré entregas de Janeiro, e devo dizer que o frio não ajuda!

-

Milão na época de Julho/ Agosto faz um calor que não encontramos em São Paulo, é muito úmido, então se sente mais! Esse ano o calor foi até meados de Outubro, quando começou a esfriar, de uma semana para outra mudou completamente, as estações aqui são muito definidas. O frio também nós não conhecemos, e depois de um mês com temperaturas que passavam de zero, 7 graus se torna “temperatura agradável”. O fator positivo é que todos os lugares são preparados para o frio, é muito comum uma casa ter aquecimento em todos os ambientes e não tem ar condicionado. Esse ano o frio durou de Dezembro até Março, quando nevou a ultima vez. Mas nada que um bom casaco, e todos os acessórios como luvas, gorros, meias, não resolva!

-

Milão sendo uma das principais cidades italiana tem um custo de vida caro, como pude observar em relação a pequenas cidades do sul, por exemplo. Os transportes funcionam bem, é possível chegar facilmente em todos os pontos da cidade, e das cidadezinhas vizinhas. Para os estudantes, existe a carteirinha de transportes que eles chamam de “abbonamento ATM” (uma espécie de Bilhete Único), ela pode ser feita em alguns pontos da cidade como a “Stazione Centrale”, “Stazione Cadorna”,( vale a pena fazer quando chegar, porque depois de Agosto, todos voltam de férias e fazem esse cartão, e demora mais ou menos 20 dias para sair, quando fiz em Agosto me entregaram na hora), o custo é de 17 Euros por mês, e te dá direito a todos os meios de transportes dentro do perímetro da cidade, trans, ônibus, metro, e passantes.

-

Para viajar pela Itália e pela Europa, o melhor modo são os trens, e os bilhetes low-cost. Programando com antecedência, é possível comprar passagens aéreas até por 1 Euro mais as taxas. Na Itália os trens funcionam bem, principalmente aqui no norte. Os estudantes “Erasmus”, que é como eles consideram a gente (mesmo não sendo!), tem a oportunidade, também, de viajar com alguns órgãos da faculdade como a ESN (Erasmus and Exchange Students Association) e ESEG, eles organizam viagens com preços baixos para lugares turísticos da Itália e da Europa para alunos em Intercâmbio, é uma boa oportunidade, porque conhece vários lugares e muitas pessoas.

-

A alimentação na Itália é a base de pasta, risotto, verduras, peixe. No supermercado se encontra uma infinidade de variações a baixo custo e fácil de fazer!

-

Algumas oportunidades  imperdíveis de Milão são: os concertos a céu aberto que fazem no verão, as mostras que ocorrem todos os meses, e a Semana Internacional de Movéis, em Maio.

-

Acredito que seja isso! Posso dizer que essa experiência, está sendo incrível, pessoalmente e profissionalmente. A oportunidade de poder conhecer novos lugares, pessoas, abre um novo mundo! E estamos no momento da vida para viver isso, adquirindo bagagem para a nossa vida!

-

Recomendo a todos!