2009 - Leonardo Finamor Filho - Arquitetura

-

Após analisar todos os países com os quais o Mackenzie possui convênio, optei pela Itália por ser proveniente de família italiana e ter uma grande identificação com a cultura e arquitetura locais, além de já ter conhecimento prévio do idioma. Depois de bastante pesquisar os perfis das universidades Italianas conveniadas ao Mackenzie, optei pelo Politécnico de Milão, tendo em vista a característica técnica do curso Architettura delle costruzioni, voltada à área de construção civil e projetos –meus principais interesses dentro da arquitetura.

-

 A ACOI teve um papel fundamental em meu intercâmbio sempre esclarecendo todas minhas dúvidas referentes à faculdade, documentação e processo seletivo. Fui até o escritório algumas vezes após agendamento pelo site do Mackenzie, mas na maioria das ocasiões as dúvidas puderam ser sanadas por e-mail, tendo em vista a agilidade e qualidade das respostas.

-

Com relação a visto e documentação pouco posso informar, pois por ter passaporte Europeu não tive essa preocupação. Mas sei que, apesar de ser um processo chato e burocrático, todos acabam conseguindo. Após chegar aqui na Itália os procedimentos para regularização são bem simples, inclusive sendo um dia organizado pelo Politécnico para que todos os estudantes estrangeiros tirem seu permesso de soggiorno.

-

Após a aprovação do Politécnico, foi informado desde o primeiro contato que havia então problemas com as moradias para o primeiro semestre e aconselhava-se a busca por outras alternativas. Foi muito difícil conseguir algo estando ainda no Brasil e apenas uma semana antes do meu embarque consegui encontrar um apartamento. Porém o apartamento era muito ruim, e fui atrás de outras opções assim que cheguei a Milão. Vi muitos anúncios de apartamentos dentro do campus do Politécnico e após alguns telefonemas e visitas me mudei para um apartamento ótimo a 15 minutos a pé do Politécnico. Pago 370€ por mês com tudo incluso. Um pouco após a minha mudança recebi contato do Politécnico sobre a disponibilidade de uma moradia, mas optei por ficar no apartamento devido à proximidade com a faculdade e por morar com dois italianos, tendo assim a possibilidade da prática do idioma. Conheço pessoas que foram para a moradia, que é mais perto do centro, e ouvi bons relatos.  Acredito, inclusive, que para os próximos anos haverá vagas para todos.

-

A cidade de Milão, apesar de bastante menor, se assemelha muito a São Paulo: é a capital econômica da Itália. Não existem muitos pontos turísticos, porém é muito agradável com bons parques, muitas lojas e muitos locais para comer e se divertir. O transporte público é bem eficiente. Como estudante você pode fazer a carteirinha e paga 17€ por mês para andar à vontade em todos os meios de transporte (metrô, ônibus, trans. e trens dentro do perímetro urbano). O clima varia muito, quando cheguei em agosto fazia um calor insuportável na casa de 40°C, e no inverno o mínimo a que chegou foi -10°C. Levando em consideração as outras cidades européias, Milão é uma cidade cara. Ao todo eu gasto cerca de 800€ ao mês para viver aqui.

-

Quanto ao Politécnico, a primeira coisa que deve ser feita é ir até o Studesk (departamento responsável pelos alunos estrangeiros) e efetuar sua matrícula. Após estar matriculado você deve escolher as matérias que você pretende cursar e recolher as assinaturas dos professores responsáveis (você tem um prazo de 20 dias para fazer isso). Segundo indicação do próprio Studesk, fui conversar com o professor Marco Grassi, supervisor de arquitetura, quem me orientou e tirou todas as dúvidas quanto às matérias a serem cursadas. Levei algum tempo para entender a organização interna deles, o que tornou a matrícula um pouco confusa, além do fato do início das aulas ter atrasado, começando apenas em outubro.  As matérias que eu escolhi ainda no Brasil não foram exatamente as que cursei aqui. A cada ano ocorrem algumas alterações de dias e horários das matérias e tive que fazer algumas alterações.

-

Estou cursando o Laboratorio di Progettazione do 3º ano, que inclui as matérias: Composizione architettonica e urbana, Tecnica delle costruzioni, Tecnologia dell'architettura  e Disegno. O curso é bem bom, contudo a parte de cálculo estrutural é massacrante, bem diferente daquilo que estudamos no Mackenzie.  No primeiro semestre eu fiz o Laboratotio di Progettazione dei parchi, dei giardini e del paesaggio. Apesar das aulas serem um pouco confusas eu aconselho muito, ainda mais por ser um curso semestral. Também faço outro laboratório anual que é Laboratorio di progettazione dell'architettura degli interni, que compreende as matérias: Architettura degli interni e allestimento e Disegno. Mesmo sendo uma matéria do 1º ano, aprendi muitas coisas no tocante a ambientes internos, uma vez que os italianos estudam e desenvolvem muito essa parte.

-

Com relação aos exames o sistema é diferente do nosso:  eles são realizados exclusivamente durante os meses de fevereiro e julho. Como não há aulas nesse período, é possível se dedicar somente às provas. Quanto às entregas de projeto pouco se difere do Mackenzie: ocorrem pré-entregas durante todo o ano e ao final tem a banca de apresentação.

-

A receptividade por parte dos professores foi boa. Não tive problema nenhum apesar de alguns serem bem frios e sérios. É bom se virar bem no italiano, pois todos eles perguntam se você fala bem o idioma. Da parte dos alunos no começo foi um pouco complicado, pois eles estão acostumados com os estudantes “Erasmus”, que são conhecidos pela falta de interesse, mas depois que alguns perceberam que eu estava realmente interessado em estudar não foi difícil fazer amizades e me enturmar.

-

O Politécnico oferece um curso de italiano grátis para todos os estudantes estrangeiros durante os dois semestres do ano. Você tem que mandar um e-mail dizendo que você está interessado e eles te avisam quando será a prova de classificação de nível. Eu participei somente durante o primeiro semestre porque entrei direto no último nível, mas recomendo! A minha professora era excelente e é uma ótima oportunidade para se relacionar e conhecer pessoas do mundo todo.

-

Para quaisquer outras dúvidas deixo o meu e-mail: leo.finamor@gmail.com . Contate-me sem problemas.

-

Um abraço e boa sorte aos futuros intercambistas.