2006 - Maria Alice de Carvalho - Arquitetura e Urbanismo

-

Cheguei em Madri, no começo de janeiro, para começar a estudar em fevereiro. Acho que fiz bem, nesse intervalo encontrei uma casa para morar e me matriculei em uma escola de espanhol para estrangeiros; assim me acostumei um pouco com o jeito de falar madrilenho e aprendi a me virar nessa cidade. Madri é bastante organizada, limpa, tem um bom sistema de transporte público e uma grande oferta cultural.

Chegado o esperado mês - fevereiro, comecei os estudos na universidade. O campus é enorme, lembra o da Usp, com a vantagem de chegar o metrô. Visitei a Faculdade antes das aulas começarem, para me familiarizar um pouco com o ambiente e tirar todas as dúvidas possíveis na secretaria. Para chegar até o Edifício de Arquitetura, há que caminhar uns dez minutos, e é bom perguntar aos outros estudantes onde ele está, por que nao é visível saindo do metrô.


Durante as primeiras semanas de aula, tinha que me manter sempre muito concentrada no que os professores diziam, pois o espanhol já não parecia mais uma língua tão fácil, nem tão semelhante à nossa; mas isso tudo passou e hoje quase não tenho problemas em comunicar-me.

As aulas não são difíceis de acompanhar, se estuda um pouco a cada dia e se revisam as matérias; mas informo que, aqui, mesmo sendo intercambista, há que trabalhar muito, pois surgem para nós dificuldades de adaptação que podem atrapalhar, mas, dedicando-se, se sentirá mais tranqüilo e seguro. O nível da escola é muito bom na área de Projeto e Estruturas, e um estudante de outro país não poderá passar por essa Faculdade sem cursar algumas dessas matérias, mesmo que seja apenas para saber como as aulas são dadas e o que fazem os alunos, pois é isso o que ela oferece de melhor. As áreas Teóricas e Urbanísticas não são o que a escola tem de melhor, mas, também, tem aulas bem dadas e professores bem preparados.

Vale também lembrar que todos temos um tutor ao chegarmos aqui, e o tutor dos alunos do Mackenzie fala bem o português, conhece a nossa Universidade, cultura e dificuldades, então, precisando de qualquer ajuda ou conversar com alguém, não deixe de buscá-lo.

Bem, agora deixo meu email caso tenha dúvidas a perguntar-me: maliceac@yahoo.com.br

Que tudo dê certo na preparação de sua viagem e, se você chegar antes de janeiro, nos veremos ainda por aqui!

Para compartilhar informações com os demais alunos interessados em intercâmbio, registro um pouco da minha experiência:

Estou gastando em media uns setecentos (min) - oitocentos (max) euros por mês. Hospedei-me na casa de uma senhora que aluga os quartos a estudantes, estou eu e mais uma espanhola na casa dela. Nos recebe muito bem, podemos usar todas as instalações da casa (cozinha, maq. lavar, sala, tv, comp.), estou bem alojada, mas não achei tão fácil encontrar um bom lugar para ficar, Madri é uma cidade cara e levei quase um mês para encontrar um lugar legal.


Pago aluguel de trezentos e cinqüenta euros por mês, gasto em alimentação uns duzentos, cinqüenta de transporte (o transporte público é muito bom e barato) e mais uns cinqüenta em material para a Faculdade. Ainda restam os gastos pessoais, que dão uns cens euros.

A Faculdade nos permitiu cursar a quantidade de matérias que quiséssemos, mas estou cursando apenas quatro disciplinas e acho, ainda assim, bem puxado. Aqui as aulas são longas e há poucos intervalos. Acho que escolhi uma média boa de quantidade de matérias, dá tempo de estudar e fazer os trabahos com mais dedicação.

Deixo o meu e-mail para contato: maliceac@uol.com.br

Um grande abraço,
Maria Alice de Carvalho.

-

Chegada a Madrid:

1) Acomodação: há dificuldade em encontrar, por haver em Madrid muita busca por estudantes, além de ser uma cidade cara - aconselho chegar antes do começo das aulas para não sobrecarregar o aluno na escola durante o começo das aulas.

-

Chegada a ETSAM:

1) Matrículas: normalmente os alunos daqui se matriculam em três ou quatro matérias por semestre (aqui chamado por quatrimestre). Matricular-se em mais de quatro fica sobrecarregado para o aluno.

2) Língua: o aluno deve ter um conhecimento mínimo da língua espanhola, os professores falam depressa, e o aluno, em algumas matérias, deve ter que apresentar trabalhos para toda a classe, assim,  é bom que chegue dominando o básico do espanhol.

3) Diferenças de ensino: os alunos da ETSAM têm um bom nível, é normal que os alunos intercambistas brasileiros tenham dificuldade em acompanhar disciplinas como Projetos ou relacionadas a Estruturas. As principias diferenças estão em representação gráfica para Projetos e conceitos de física e cálculo para Estruturas.

4) Matérias: as matérias mais fortes da escola são justamente as relacinadas a Estruturas e Projeto. Nessas, os alunos vindos podem ter mais dificuldade para acompanhar as aulas. As outras, em geral as “humanas” - como História, Teoria, Composiçao e Urbanismo - , os alunos podem acompanhar com uma carga normal de estudos sem ter grandes problemas.
Ao chegar à faculdade, é fundamental o aluno buscar seu tutor. Com ele, pode ter ajuda e orientação em quase todos os temas relacionados à escola.

-

Curso x Ano:

1) O ano escolar, no Brasil, começa em janeiro, e na Espanha, em agosto. Quando escrevem Curso 2006-2007, não querem dizer que são dois anos de curso, mas que começa na segunda metade de 2006 e vai até a outra de 2007. Para um estrangeiro, o melhor é chegar no início do curso (em agosto), pois é a data em que estão acostumados a receber intercambistas.

2) As disciplinas dadas na ETSAM sao semestrais (como no Mackenzie), mas algumas são dadas apenas uma vez ao ano.

3) As férias escolares são de junho a setembro (início das aulas). No começo do ano, não há férias, apenas algumas semanas de descanso - como duas ou três.

-

Gastos fixos mensais:

Madri é uma das cidades com o custo de vida mais alto da Espanha. Gasto uma média de setecentos a oitocentos euros por mês, com todos os gastos incluídos (moradia, alimentação, transporte, material escolar e alguns passeios).